sábado, 21 de janeiro de 2012

Um ministro totalmente despreparado

Mais uma vez, os problemas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) causam insegurança em milhares de jovens brasileiros. Na quinta-feira passada, o ministro da Educação, Fernando Haddad, disse que não há condições tecnológicas de apresentar a cópia das correções da redação do último certame. Para o deputado Otavio Leite (PSDB-RJ), os alunos são vítimas da incompetência administrativa do governo federal.

A consulta à prova e ao espelho de correção dos avaliadores foi determinada pela Justiça Federal do Ceará, mas a pasta comandada pelo petista – que quer ser prefeito de São Paulo - anunciou que recorrerá da decisão, segundo o jornal O Globo. O titular declarou que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) não está preparado tecnologicamente para dar vista aos estudantes.
O tucano considera lamentável ver o drama do Enem se repetir. “Isso afeta muitos jovens, que se deparam, a cada ano, com as tragédias do exame. Ninguém é contra o princípio do Enem, mas a forma de aplicação tem apresentado sucessivos transtornos. Com isso, a insegurança aumenta”, ressaltou ontem o parlamentar nesta. Na última avaliação, o MEC alterou 129 notas de redação, comprovando a falta de critérios claros na correção.

Pelo Twitter, o líder do PSDB na Câmara, Duarte Nogueira (SP), criticou a desorganização dos responsáveis pelo certame: “O ministro Haddad, de saída da Educação, disse que o Inep não se preparou tecnologicamente para disponibilizar as provas do Enem. Esse é o governo 2.0 petista – com verniz moderno, mas avesso à transparência”, afirmou
Para evitar mais transtornos, Otavio Leite defende a implantação de um exame via internet. “Essa seria a solução. As provas seriam emitidas na sala de aula, com os alunos presentes, sem necessidade de impressão do material”, disse. “Hoje o mecanismo de organização é vulnerável”, completou. Na visão do tucano, o formato evitaria problemas, o custo seria menor e daria mais segurança aos alunos.

Notas na Justiça
Segundo o Inep, 122 participantes do último Enem já pediram correção da redação, 79 entraram com recurso e uma alteração de nota ainda está em processo judicial. A edição do ano passado foi marcada pelo vazamento de questões do pré-teste, o que levou à anulação de itens de alunos de um colégio de Fortaleza (CE).

Enquanto a Justiça Federal no Ceará concedeu parecer favorável aos estudantes, permitindo assim o acesso à correção das redações, o Tribunal de Justiça Federal do Rio indeferiu o pedido proposto pelo defensor público federal Daniel Macedo, que vai recorrer da decisão. “É preciso repensar o Enem. Da forma como é, o gasto é de mais de R$ 300 milhões. Os jovens precisam ter nas instituições respeito e credibilidade. Mas, com esses erros, o governo dá passos para trás e os jovens ficam desacreditados. Eles estão sendo vítimas da incompetência do governo”.

(Fonte: http://www.psdbnacamara.com.br )

Nenhum comentário:

Postar um comentário